Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

05
Fev10

Dez infinitos minutos.

Marco

Havia no brilho daquele olhar o tamanho inteiro da eternidade, havia encantamento juvenil e quase aposto que, se dependesse dela, o sol não se poria nunca, ficaria ali parado, se calhar pendurado por uns cordéis às nuvens mais próximas e o tempo deixaria assim de passar para que ela sempre feliz daquele jeito, a ser ainda capaz de se surpreender tantos anos depois da primeira vez, tantos anos depois da pele de seda e dos cabelos brilhantes, ali parada, suspensa, dentro de um corpo feito de intermináveis socalcos, a enamorar-se pela simplicidade da vida, ao som do bolero de Ravel tocado num saxofone flutuante e comigo bem ao lado, completamente desatento das coisas óbvias, só a pensar no tamanho daquela eternidade, ali, na praia fluvial do jacaré em João Pessoa, Brasil, essa terra tão cheia de tudo onde apenas a palavra imensidão parece fazer sentido, eu desligado da realidade e a pensar numa frase ouvida dias antes  - viajar é acrescentar dias à vida, e sim, claro que é verdade, diria até mais, viajar é também acrescentar vida aos dias, são bolhas de tempo onde existimos de maneira diferente, é pertencer onde não se pertence, é ver como seríamos noutro sítio, noutra vida - e que grande viagem deve ter feito aquela pessoa, aquela senhora de olhos azuis esquecida pelo destino, olhando fixamente um sol que lhe escorregava por entre os dedos, derretendo-se nas águas daquele rio de pintura barata a óleo vendida numa dessas lojas de mil quadros iguais, a perfeição feita banalidade e talvez por isso eu distraído dela, convicto de que muitas mais pinturas como aquela durante a minha vida, mas receoso que um desencontro do acaso me leve a não mais mergulhar dentro daquele olhar de cristal onde por dez minutos, coube o tamanho inteiro da eternidade.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D