Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

10
Set09

Música para os ouvidos.

Marco

Existe ao final de cada tarde uma hora misteriosa, secreta, em que o vento decide aparecer para fazer as árvores cantar à desgarrada qual fado vadio
- Rhandy Roads era mesmo um poeta da guitarra
e nesse preciso momento, é sabido que o Zeca estará provavelmente a dormitar o sono que os javalis lhe roubaram à noite e estará provavelmente já com saudades do seu Comandante que nisto das hierarquias os bichos não brincam, contando cada minuto até poder adorá-lo de novo, sempre altivo, distante e próximo, frio e caloroso, o Comandante outrora cruzando oceanos, tratando ventos e marés por tu, chamando os nomes certos a cada peixe que de visita ao passar do navio, atando e desatando nós e nós a vê-lo, a seguir-lhe os passos até ao fim do mundo, lá, onde os Romanos decidiram um dia rasgar caminhos
- Agora estou de Beatles, Let It Be
para que nós, de pedra em pedra a contemplar tamanho silêncio - que bem soa o silêncio, as rãs a medo saltando à deriva, fugindo não percebo porquê, o cheiro a final de tarde, só nós e o fim do mundo
- Curioso o último dos Beatles ser o meu primeiro
só nós e a certeza de que as árvores já cheias de preparos para a Diplomata, sentada sob o telheiro a perceber-lhes a tremideira, longe do tempo, perto das estrelas dançarinas, a Diplomata e a sua serenidade, a sua aceitação, o seu conhecimento, sabendo já de gingeira que àquela hora as ovelhas vão percorrer o carreiro rumo à sombra fresca dos sobreiros para mais uma noite de lua acesa, a noite a chegar, é tempo de seguir o Comandante estrada acima, ele a explicar-me os segredos da terra e eu outra vez puto charila, por minha vontade voltava já amanhã, ia direito ao rio para lhe mandar pedras achatadas na esperança de as fazer saltitar mais do que três vezes - desculpa avô Tóino essa nunca consegui aprender, e depois quando o sol se pusesse, pediria desculpa às pessoas já sentadas e passaria em dificuldades até ao meu lugar bem no centro da plateia, mesmo a tempo de ouvir a vento mandar as árvores cantar.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D