Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

25
Jul08

O Brasil.

Marco

Sei que a primeira sensação foi a de um escuro já esquecido, conformado com a sua condição, tremendo, esmagador, capaz de todos os segredos sem quem ninguém sequer desconfiasse, um escuro apenas contrariado em ocasiões muito especiais, fosse um carro sem direcção perdido na noite, fosse uma casa que de casa apenas o conceito, desafiando sempre os limites da pobreza e ainda assim repleta de pessoas habituadas ao nada como o tudo e até felizes por isso, tranquilas de tão distantes das exigências a que os sonhos sempre obrigam, transbordando coisas coisas coisas e mais coisas.

Não ter nada foi pela primeira vez verdade à frente dos meus olhos e aqui o nada escreve-se com todas as letras de todos os alfabetos e significa um vazio capaz de magoar, capaz de ferir, um vazio combatido apenas a sorrisos que nunca entendi muito bem se de simpatia, se de ironia perante o destino dos dias iguais aos outros num cenário onde o paraíso parece sempre tão próximo, tão palpável, tão real, a escapar-lhes como areia por entre os dedos, a fugir-lhes troçando deles em todos os minutos, dando sempre a ideia de estar reservado em exclusivo para nós, visitantes do regresso anunciado.

E regressei. Regressei ao Brasil que coube dentro das fotografias e que se pinta de um verde opaco, onde existem as praias encantadas, as pessoas inesquecíveis, os momentos que agora se repetem na minha memória saudosa, as aventuras, os lugares da perfeição, a vida em estado bruto. E revejo o pequeno Bartunis (nome inventado por mim), e encanto-me com o brilho daqueles olhos inocentes, fundos como a noite e apenas desejo que um dia possa realizar o sonho de ser o Cristiano Ronaldo e que a felicidade dele possa ser bem maior do que receber um ou dois reais em troca de um simples pacote de cajus.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D