Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

10
Jan08

O passado.

Marco
O passado é como a roupa que nos deixa de servir. Esta frase ontem quando eu a regressar de Lisboa, depois daqueles lugares novamente e mais do que os lugares, as pessoas, algumas pessoas, como se arrumadas e dobradas na gaveta, com aquele cheiro a tempo parado, fechado, anos a fio sem que luz, sem que olhares, sem que a vida, sem que nada, tempo parado, fechado no escuro de um roupeiro antigo, apenas ali, aguardando talvez que um dia, algum dia, de novo, por um momento, tocando o presente como se dia nenhum entre aquilo que foi e aquilo que já não é.

Sou de repente capaz de lembrar uma velha camisola, julgo que de lã, vermelha com um enorme M branco no meio, M de Marco e eu com um sorriso todo ele esperança, inocência, reguilice, na fotografia da segunda classe. Sou de repente capaz de imaginar essa camisola e sei que se agora na minha mão, toda ela pequena, encolhida, cheirando a tempo parado, fechado, toda ela episódios idos, a professora Gertrudes, os trabalhos de casa,  a natação, a Clara – como eu gostava da Clara!, as cassetes, o mini golfe jogado ao berlinde no Estoril, o Fernando que chamava de Fernandélio em resposta ao Marcaurélio dele...

O que diria eu hoje ao Fernadélio, diria Fernandélio?, perguntar-lhe-ia pela cassete dos Iron Maiden?, o que diria eu à Clara se a Clara de novo à minha frente?, mergulharia mais uma vez de chapão para a piscina só para a impressionar?, o que diria eu à professora Gertrudes se ela me passasse trabalhos de casa?, diria não me apetece nada?... Faltar-me-iam por certo palavras tal como faltaram ontem, quando decidi abrir uma gaveta há muito fechada, cheia de tempo parado, fechado, cheia de roupa que deixou de me servir e que por isso me pareceu tão estranha quando decidi voltar a experimentá-la.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D