Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

19
Dez07

A marioneta.

Marco
Quando deixada ao abandono – e tantas vezes deixada ao abandono, a sua figura triste demais, braços e pernas misturados, confusos, parecendo um complexo jogo de mikado e a cabeça caída, inerte, morta, dando ares de ter desistido, conformada àqueles fios que a sua vida toda quando em certos dias e apenas em certos dias, guiada, conduzida, levada. Nunca ela, apenas o que dela queriam fazer, todos os movimentos, todos os gestos, todas as vontades que afinal, impostas, forçadas, numa aparente felicidade que ninguém sonharia a mais infeliz de todas.

Nos seus sonhos mais profundos imaginava-se livre, forte, capaz de passos decididos e vontades próprias, imaginava-se senhora de si e respeitada por isso mesmo, não pelos puxões a braços e pernas em escassos minutos de atenção que logo substituídos por horas, dias de mikado sem que ninguém a retirar peça a peça em mil cuidados e delicadezas. Tinha saudades. Saudades do que não foi, saudades de viver, saudades de sentir, saudades de querer, saudades de ser livre, de poder tudo, poder simplesmente escolher e caminhar e correr e sentir o pulsar das coisas.

Quando deixada ao abandono – e tantas vezes deixada ao abandono, pensava em cortar todos os fios que a prendiam a nada, mas o medo, se calhar nem o medo, o hábito, ou nem o hábito, nada, simplesmente nada e por isso presa, sempre presa, olhando os fios, odiando os fios, odiando-se a si mesma, odiando o mikado, odiando que ninguém cheio de mil cuidados e delicadezas, odiando que alguém afinal com mil cuidados e delicadezas, só que longe, agora longe, e todos os sonhos, todas as vontades reduzidas a puxões de braços e pernas, numa aparente felicidade que ninguém sonharia a mais infeliz de todas.

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D