Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

26
Set07

Pouca terra...

Marco
Paço de Arcos. Há quem não goste deste ruído, sempre repetido, mas eu prefiro encará-lo como um género de melodia que me acompanha nesta viagem que agora repito todos os dias. Caxias. É de manhã. Muito cedo. O rio está quieto, desconfio que ainda a dormir. Olhando mais além, é possível ver o Bugio e algumas barcaças na faina, rodeadas de gaivotas interesseiras. Cruz Quebrada. Aqui dentro as pessoas parecem-me zangadas. Não lhes descubro sorrisos. Encosto a minha cabeça à janela e detenho-me a contemplar a margem sul.

Algés. Em Algés as portas abrem-se no lado oposto. Pergunto-me, porque razão? Sem resposta, volto a encostar o meu nariz ao vidro que logo se embacia com a minha respiração. Estou cansada, o tempo foge-me debaixo dos pés. Queria estar longe, podia até ser neste comboio cheio de melodia, mas longe, talvez no estrangeiro e toda eu de férias, com uma mochila às costas e uma máquina fotográfica a disparar cheia de vontade. Belém. Estás longe mas lembro-me de ti. Acho que tenho saudades tuas, apetecia-me dizer-te olá. Olá.

Alcântara. Ainda não percebi porque razão tanta gente sai nesta paragem. Parece que fogem, apressados. Encosto a cabeça ao banco ligeiramente descaída para a direita. De novo o rio com cara de poesia. Lindo. Fecho um pouco os olhos e deixo-me levar pelos sonhos que parecem distantes. Santos. Sinto-me a chegar. Levanto-me e coloco-me atrás das pessoas tristes, obrigadas, conformadas. O comboio abranda o seu ritmo, prepara-se para parar. Cais do Sodré. As portas abrem-se e eu sigo o meu caminho para o metro. Amanhã há mais.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D