Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

26
Set07

Pouca terra...

Marco
Paço de Arcos. Há quem não goste deste ruído, sempre repetido, mas eu prefiro encará-lo como um género de melodia que me acompanha nesta viagem que agora repito todos os dias. Caxias. É de manhã. Muito cedo. O rio está quieto, desconfio que ainda a dormir. Olhando mais além, é possível ver o Bugio e algumas barcaças na faina, rodeadas de gaivotas interesseiras. Cruz Quebrada. Aqui dentro as pessoas parecem-me zangadas. Não lhes descubro sorrisos. Encosto a minha cabeça à janela e detenho-me a contemplar a margem sul.

Algés. Em Algés as portas abrem-se no lado oposto. Pergunto-me, porque razão? Sem resposta, volto a encostar o meu nariz ao vidro que logo se embacia com a minha respiração. Estou cansada, o tempo foge-me debaixo dos pés. Queria estar longe, podia até ser neste comboio cheio de melodia, mas longe, talvez no estrangeiro e toda eu de férias, com uma mochila às costas e uma máquina fotográfica a disparar cheia de vontade. Belém. Estás longe mas lembro-me de ti. Acho que tenho saudades tuas, apetecia-me dizer-te olá. Olá.

Alcântara. Ainda não percebi porque razão tanta gente sai nesta paragem. Parece que fogem, apressados. Encosto a cabeça ao banco ligeiramente descaída para a direita. De novo o rio com cara de poesia. Lindo. Fecho um pouco os olhos e deixo-me levar pelos sonhos que parecem distantes. Santos. Sinto-me a chegar. Levanto-me e coloco-me atrás das pessoas tristes, obrigadas, conformadas. O comboio abranda o seu ritmo, prepara-se para parar. Cais do Sodré. As portas abrem-se e eu sigo o meu caminho para o metro. Amanhã há mais.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D