Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

24
Set07

À porta.

Marco
Sabia bem que as letras como que secavam dentro das palavras que escrevia, talvez porque fosse tarde e a sua cabeça já num lugar distante, talvez, mas a verdade é que o poema todo ele no início, mesmo ali à sua frente, nem ainda poema, mais um conjunto de rimas soltas, sílabas juntas ao sabor do acaso até que a campainha ou finalmente a campainha, e ela do outro lado, deformada naquele buraquinho da porta, expectante, olhando o chão ao mesmo tempo que mexia no brinco da orelha direita.

Sabia bem que aquele caminho lhe consumia todos os pensamentos, como se as ideias lhe escorressem pernas abaixo e logo esmagadas no chão tipo pegadas, gravadas em cada passo que dava, perdidas ali, entregues a ninguém, pisadas vezes sem conta nesse caminho que era o seu, as pedras da calçada formando desenhos que sabia de cor, as montras cheias de coisas que não queria, as esplanadas e os bons dias do costume, a porta número sete, as escadas de madeira já velha e a campainha que mal se ouvia.

Sabiam bem as palavras que não iam dizer, os olhares que não iam cruzar, os gestos que não iam trocar. Sabiam de cor a outra face da porta, de um lado um poema por escrever, apenas um conjunto de rimas soltas, sílabas juntas à espera de uma campainha que chegou tarde; no outro lado, um enorme nada naquele olhar de em contra o chão, como que a observar os pensamentos debaixo dos seus sapatos, pisados e repisados. Sabiam tudo um do outro e sabiam-no tão bem que viraram costas à porta não fosse ela abrir-se sem querer.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D