Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

11
Set07

Controlo remoto.

Marco
Às vezes é preciso dar assim uma pancada seca, de lado, e logo a imagem de novo, já sem indecisões, sem aquele quase quase que nunca mais, de novo colorida, nítida, estável. Um pouco como nós quando nos engasgamos, a tossir e tossir, vermelhos, suspensos sem ar, quase sem vida, sem vida, até que uma pancada seca nos devolva, nos traga de regresso às imagens comuns, já sintonizados com o futuro, ou mesmo com o presente, não interessa, interessa que sintonizados, prontos a continuar, prontos a existir.

Outras vezes é preciso mais cuidado, é preciso perceber os botões, conhecê-los, desafiá-los, vencê-los. Mesmo que nada de imagem, não desistir, tentar de novo, experimentar novas combinações e um pouco mais de imagem, já quase fixa, e fixa, presa, por uns tempos, debaixo do botão com o seu número. E nesse gesto, um sorriso simples, de quem sabe poder ocupar melhor as horas intermináveis, na quietude de uma casa vazia, à espera de um futuro que de futuro, apenas inevitável e nada mais.

Continuar a existir, coisa difícil dentro de imagens fugidias, sem cor, à espera de uma pancada ou então de um cuidado especial, de alguém que perceba de botões e tenha paciência para se sentar a desafiá-los, lutando por sintonizar as cores que um dia se apagaram e as vozes que se deixaram de alegrias. Sim, porque às vezes, a vida como que foge, deve ser com o tempo, cheia de interferências, ali no quase quase, indecisa, engasgada consigo mesma, a tossir, suspensa, quase sem ar, quase sem vida.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D