Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

16
Mar07

Naquela fracção de tempo.

Marco
Era já tarde quando chegou, não sei, talvez uma meia noite, talvez mais, era tarde quando chegou e abriu o portão para poder entrar. Este lento, este da direita para a esquerda, lento, demorando segundos vazios de tempo, ainda por cima tarde, já noite dentro, ele cansado, o portão lento até que por fim aberto, finalmente aberto para ele entrar e ele entrou, cansado, pensando em tudo e em nada, procurando chaves, revolvendo memórias, arrumando ideias ou a falta delas, até que stop, carro parado, noite parada, vida parada.

Os passos, rápidos, carregados, o chão fugidio debaixo dos pés, a deslizar e mais passos até à porta, fechada, sempre fechada. O portão novamente lento, da esquerda para e direita, fechando-se do mundo, como um muro, uma fronteira, uma barreira. Novamente as chaves, aos gritos, até que a tal, a escolhida e naquele momento, naquela pequena fracção de tempo, outro mundo, outra vida, imaginada, outra realidade do outro lado, esperando, possível, o som da porta, outra realidade, possível.

A porta aberta, a luz acesa, o corredor na sua frente, quieto, adormecido, acordado por breves instantes e de novo adormecido na escuridão, as escadas, desertas até que por fim o seu mundo, o seu refúgio, reflexo de si mesmo, à sua espera, também quieto, também adormecido. A realidade tal como ela é, realidade, longe da imaginada naquela fracção de tempo, vazia, quase desoladora, real demais para poder ser realidade. Sorte que era tarde e como era tarde, deitou-se, esqueceu-se e dormiu até hoje, aqui, agora.

A realidade que espere.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D