Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

23
Dez06

Era um conto de Natal.

Marco
Nevava. Tinha de nevar. Era um conto de Natal e por isso tinha de nevar. Sem neve, poderia na mesma ser um conto, mas não de Natal. Por isso, nevava. E fazia frio. As pessoas andavam na rua apressadas, como que a não querer esperar mais um ano por outro Natal. As crianças sorriam ao mesmo tempo que aproveitavam para brincar com a neve que nevava e que permitia que este pudesse ser um conto de Natal.

A magia do Natal já não o tocava da mesma forma. Aquele encanto que outrora o envolvia tinha desaparecido, dando lugar a uma mera formalidade. Já nada esperava desta data. As razões, não as sabia ao certo. Mas a verdade é que desejava que a quadra passasse depressa e que os dias voltassem a ser dias normais, sem esta febre alucinante que a todos parecia contagiar. Estava frio. Nevava. E este era um conto de Natal.

Foi então que aconteceu. Naquele preciso momento. O som não o poderia enganar. Era real. Era a sua porta. Num instinto, levantou-se, correu para a janela e viu um fim de tarde coberto do branco da neve. Viu crianças a brincar e pessoas cheias de pressa. Correu para a porta de casa e abriu-a. Nunca se soube ao certo se foi magia que aconteceu, mas do outro lado, sorridente, de olhos cristalinos e um sorriso do tamanho do mundo que fazia covinhas, estava ela.

Disse – vim para ficar, para sempre, ao mesmo tempo que a sua fala fazia curiosos balões de fumo. Ele não disse nada. Não conseguiu. Abraçou-a com toda a sua força e puxou-a para dentro da sua casa, para dentro do seu mundo, para dentro da sua vida. E o Natal voltou a encantá-lo. Com ou sem frio. Com ou sem neve. Porque para ele, o Natal, o verdadeiro Natal era amor e o seu, tinha acabado finalmente de acontecer.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D