Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

21
Abr09

Mar de encantamento.

Marco

Às tantas foram-se as ideias todas e eu agora parecido a uma corrente de ar, feito movimento fugitivo de coisa nenhuma, frio, desagradável, sentado em frente das evidências sem ser capaz de lhes ler o óbvio, procurando-lhes o outro lado, apenas o outro lado, na esperança penso que da essência, sim da essência, desse género de segredo escondido, mapa revelador de cada coisa, cada sombra de gente a mover-se por entre espaços ainda desocupados, sem tempo, fugindo, correndo sem rumo rumo a suas casas, sem direcção, à deriva pelas correntes sempre fortes demais para serem contrariadas, as correntes que às tantas me prendem as ideias todas e eu agora aqui, em esforço, lembrando tempos idos, memórias que se ergueram como explosões e das explosões lembro as pessoas, lembro aquelas terras em que ninguém manda, aquelas terras feitas no nada, nascidas da fúria divina, verdes como o paraíso, escuras como o inferno, contrastes, ironias, aceitação, vejo aceitação nos rostos das pessoas, vejo esse saber das regras universais, essa consciência de que o mundo só o muda o mundo, mais ninguém, e daí a aceitação, supremo gesto de sabedoria, quais anciões jogadores de sueca, olhando resignados as cartas que a sorte lhes escolheu, fazendo delas o seu jogo de vitórias, o seu jogo que conquistas, eu a estudar-lhes cada passo, vigiado por um mar que nunca dorme, uma sentinela incansável, sempre disposto a lembrar-lhes o fim das ilusões, tão cruel quanto belo, omnipresente, trazendo aqueles a que chamei os sonhadores das estrelas cadentes, que ali se encontram em datas impossíveis, celebrando o efémero, brindando a um até sempre que ali tudo significa, antes de partirem tal como eu parti, eles rumo a novos portos de abrigo, eu sobrevoando o pôr do sol, olhos nos olhos com a perfeição, deslumbrado e ao mesmo tempo preocupado, preocupado que as ideias me fujam, escorregadias, na hora de descrever o outro lado de tudo o que vi, nos Açores.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D