Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

26
Ago08

Zé Maria Pincel.

Marco

É longe o lugar onde me detenho, onde caminho tardes inteiras enquanto repouso ao lado de um tempo que me finta, passando apenas nas minhas distracções ou nas minhas ausências, quando decido aparecer e fingir-me de sorrisos, disfarçado de encantamentos, escondido dentro de partidas que me protegem de perguntas incómodas, que me afastam de respostas que conheço mas que não desejo pois prefiro-as para mim, na hora de regressar e regresso todos os dias, ao fim da noite, quando já não sobra estrela nenhuma para se despenhar dos céus do Alentejo.

A minha verdade é outra coisa que nem consigo explicar, conheço-me bem demais para tentar definir-lhe todos os contornos, é se calhar um género de grandeza ou talvez uma fé – eu que não sou nada dessas coisas, mas uma fé que significa convicção, uma convicção que são ideais e aqui pergunto: será que todos se esqueceram dos ideais? em que acreditam vocês? e lá está, é longe o lugar onde me detenho, pudesse eu e uma mochila nas minhas costas, mundo fora, à procura do lugar onde se despenham as estrelas, em busca dos olhares profundos – sinto falta dos olhares profundos, à redescoberta deste eu que tanto me chama.

Sou bem mais do que pareço, sou a vontade do vento e tal como ele, deixo-me deslizar, as correntes matam-me e o meu nome escreve-se da mesma maneira que liberdade, sou tudo aquilo em que acredito e acredito cada vez mais, na minha verdade, sonho-a com o lento passar das horas, os ideais – não se esqueçam dos ideais! o pensamento, a igualdade, a utopia, sim, como gostaria de um dia caminhar na rua e descobrir que nos olhares havia de novo aquela profundidade, aquele brilho de quem se detém horas sob as estrelas, as vê-las despenharem-se no infinito da imaginação. Até lá, vou sorrindo em vez de desistir.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D