Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

28
Fev08

Um inesperado adeus.

Marco
Nunca foi suposto eu vir a conhecer o senhor Cabral Ferreira visto que ele presidente de um clube de futebol lá para os lados de Belém – onde o Tejo se torna belo para além de todas as palavras que tento lembrar neste preciso momento, e eu um longínquo anónimo, um alguém que ninguém, preocupado com outros afazeres bem distantes das famosas quatro linhas onde tantas emoções se despertam e fluem ao sabor de uma paixão a que muitos sucumbem mas que poucos conseguem explicar através da racionalidade que pelos vistos, nada quer ter a ver com o desporto rei.

Nunca foi suposto eu vir a conhecer o senhor Cabral Ferreira mas um desses afazeres obrigou-me a aproximar-me das famosas quatro linhas e Belém – onde os fins de tarde solarengos se tornam belos para além de todas as palavras que tento lembrar neste preciso momento, foi o local escolhido e foi onde ele, simpaticamente me estendeu a frágil mão, interessando-se por saber quem éramos e o que fazíamos, mesmo sabendo que o iria esquecer de imediato visto que a sua vida a escorregar-lhe, a consumir-lhe as últimas energias, a apagá-lo aos poucos como um desenho a sumir-se, a tornar-se sombra até que nada.

Nunca foi suposto eu vir a conhecer o senhor Cabral Ferreira e na verdade, nem sequer o reconheci quando se aproximou de mim, guiado pela sua bengala de madeira, metido dentro de um corpo que o traiu aos cinquenta e seis anos de idade mas do qual julgo que nunca se queixou a julgar pela frase “bem, deixa-me lá ir buscar as minhas coisas, que este deve ser o último jogo de Belenenses que vejo” e lá foi ele, em passos curtos e dolorosos, fumando um cigarro que já nem mal lhe conseguiu fazer, a caminho do seu gabinete, a caminho do seu destino. Apesar de nunca ter sido suposto, gostei muito de o conhecer e doeu-me saber que partiu.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D