Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

19
Fev08

O varredor.

Marco
Levantava-se ainda nos últimos minutos da noite, despidos de calor, alegria, entusiasmo e deixava que os movimentos o levassem como o leito de um rio, deslizando lentamente em cima do chão, observando-se a agir já sem admiração, esquecido do que fora um dia, aceitando apenas e a casa de banho, gelada, a farda, repetida, o rosto, inerte, a porta, aberta, as escadas, escuras, a rua, deserta, a paragem, abandonada, o autocarro, finalmente, os bons dias, do costume, o acento, lá atrás e a cidade, deserta, a dormir, salpicada de luzes vermelhas que poderiam muito bem ser apenas os seus pensamentos, perdidos, fugazes, parando e arrancando para sempre.

A sua vassoura era ainda à antiga, longa, de madeira e terminada num molho de ramos toscamente amanhados, rijos, ásperos, velhos, capazes de resistir às superfícies rugosas, aos objectos imprevistos, capazes de varrer as horas, varrer as manhãs, varrer o lixo, varrer as memórias por debaixo dos seus sapatos gastos de passos perdidos, vagos, comandados à distância, a partir de todos os lugares que teimosamente habitava, lugares que nem sempre lugares, instantes, pensamentos, ideias, flashes sucessivos, luzes vermelhas na noite, ora acesas, ora apagadas, perdidas e a vassoura dançando cada compasso, cabisbaixa, automática, triste.

O varredor já acreditara. Já sonhara impossibilidades, já idealizara possibilidades. Já fora um dia, feliz dentro dos seus sonhos. Já se levantara de sorriso rasgado e já comandara todos os seus movimentos, moldando-os à sua vontade férrea de desenhar-se em tons vivos, numa tela interminável, permanente. O varredor já acreditara. O varredor já acreditara. Já gastara o seu tempo em lugares longínquos, em gestos definitivos, já vivera um dia dentro de cada dia, uma hora dentro de cada hora, um minuto dentro de cada minuto. Já sentira o intenso travo da plenitude. O varredor já acreditara. O varredor já acreditara. O varredor já acreditara...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D