Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

07
Fev08

Naquele olhar.

Marco
Vi as azedas naquela indecisão verde amarela a pintar os campos de limonada e não vi nada disso, vi muito mais, vi o Estoril, vi o caminho para a natação, vi o fim de tarde, vi um miúdo pequeno a prová-las e a acreditar que as grandes escolhas da vida seriam entre aquele travo a coisa nenhuma e o doce dos pinhões conquistados ao mundo e quebrados à pedrada com a arte dos ourives. Vi que a primavera em vez do inverno, vi que as memórias vivas, presentes, vi e não vi nada disso, vi as azedas naquela indecisão verde amarela a pintar os campos de limonada.

Vi a feira da ladra naqueles fins de manhã em que o sol parece pintar os recantos de magia e não vi nada disso, vi muito mais, vi os rostos do desencanto, vi passos errantes, descabidos, pessoas que restam de si mesmas, gastas de vida, vi isso e vi também que ia sozinho, vi que ia sem o Barradas e sem o Barradas a feira da ladra não é bem igual, é também um resto de si mesma, apenas um conjunto de sítios, a resistirem a um tempo que os consome em segredo. Vi e não vi nada disso, vi a feira ladra naqueles fins de manhã em que o sol parece pintar os recantos de magia.

Vi a palavra incerteza escrita em cada gesto e nas suas letras vi outras palavras, todas as palavras que disse, que escrevi, que pensei, que calei, que sonhei, vi e não vi nada disso, vi apenas que deixaria de ver, vi adeus em cada fragmento de instante que se desfazia, vi silêncio, vi desilusão, vi o tempo que nunca foi, que nunca será e nesse momento pensei que talvez seja esse o verdadeiro sabor das azedas, um travo a coisa nenhuma que pinta os campos de limonada e pensei que o sabor do vazio se parece muito com aquilo que sinto, sempre que aos sábados de manhã o Barradas não está comigo a ver a magia pintada pelo sol.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D