Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

04
Fev08

A meio das ideias.

Marco
As vozes juntam-se numa afinação que tenta envolver-me como envolvem os abraços mais apertados, aqueles onde o número dois se transforma em número um enquanto eu me afasto dentro do meu silêncio mal disfarçado com um sorriso desenhado à pressa e fujo para longe, para esse lugar onde nenhuma pergunta, nenhuma pessoa, apenas eu os pensamentos que me tomam de assalto, fazendo contas a uma idade que parece querer enganar-me, na qual nem me reconheço, tentando ajustar-me a ela tal como faço em frente ao espelho sempre que por obrigação tenho lutar contra o nó de uma gravata.

Lido mal com nós de gravata, cortam-me o ar, sufocam-me, prendem-me, disfarçam-me do que não sou e por isso evito-os da mesma maneira que evito as contas que isto da matemática nunca foi o meu forte, sempre abominei raízes quadradas, nunca entendi trigonometrias e sinceramente, já não acredito em fórmulas resolventes por isso toca de acordar e regressar às vozes que se afinam e me abraçam, sorrisos enormes de verdade, olhares brilhantes que me fazem lembrar jóias preciosas de valor impossível onde me fixo e acredito que sou feliz por completo, sem que nada nem ninguém me possa convencer do contrário.

Penso de repente: sou um pedaço de texto por acabar. Sou a luta entre as frases e as ideias, sou todos os erros já escritos e sou o resto da folha branca, sou aquilo que quiser escrever, que conseguir escrever, sou as palavras todas que conheço, sou aquilo que fizer delas, sou estes nomes que me rodeiam, sou a voz deles que me envolve, sou um que é dois, que são todos, sou simplesmente assim, sou eu agora, aqui a fazer contas de cabeça enquanto faço e desfaço este nó que é um grande trinta e um, querendo enganar-me, onde nem me reconheço e por isso peço desculpa, mas vou desistir de pensar muito mais no que escrever e simplesmente, viver.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D