Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

15
Jan08

Saudades de ti.

Marco
As nuvens quedam-se baixas, adormecidas sobre a encosta onde as ovelhas saboreiam o doce travo da manhã. O tempo é parado. Na estrada, um velho detém-se a contemplar a beleza como se esta fosse coisa possível de agarrar, dobrar e meter no bolso. Vejo-o encantado. Imagino-lhe a casa, cheia de pequenos pedaços de encantamento, distribuídos por gavetas, prateleiras, a casa também velha, repleta de fotografias onde rostos ainda novos antes de todo o tempo, e de novo pedaços, como que, confirmando tudo de verdade nos fios húmidos de lembrança que por agora lhe escorrem rosto abaixo.

Nisto, uma criança, um puto, de cajado em punho, correndo e sendo seguido de um cão que imagino chamar-se Tang, e tanto sorriso numa só cara, como se a beleza fosse coisa de se respirar, possível de inalar e inspirar fundo, fundo, fundo, até que o peito prestes a explodir, reguila o puto, feliz, à volta do seu avô que quieto, envolto nas histórias que tantas, que tão belas, uma vida inteira, ele puto, ele novo, ele com dúvidas, ele com angustias, ele apaixonado, ele com certezas, ele com saudades, ele em dificuldades, ele e as pessoas, todas as pessoas, todas as histórias, toda a vida, enorme, gigante, suspensa sobre as nuvens ensonadas.

O tempo é parado. No tremendo branco destas paredes, sobra espaço para histórias, episódios, momentos. Sobra espaço que é e será sempre vida por viver, que serei eu talvez amanhã e depois, depois, depois. Por agora, olho apenas um momento, este momento à minha frente e sonho, sonho tudo como se a beleza fosse coisa de se imaginar, recordar, lembrar e logo lembro, lembro tantos olhares teus onde sem saber, fui tão feliz. Encontro, encontro-nos nesta bonita imagem que me faz reviver outros tempos, em que verdade nenhuma era a possibilidade de num dia como o de hoje, eu ter assim tantas saudades de ti.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D