Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

10
Jan08

O passado.

Marco
O passado é como a roupa que nos deixa de servir. Esta frase ontem quando eu a regressar de Lisboa, depois daqueles lugares novamente e mais do que os lugares, as pessoas, algumas pessoas, como se arrumadas e dobradas na gaveta, com aquele cheiro a tempo parado, fechado, anos a fio sem que luz, sem que olhares, sem que a vida, sem que nada, tempo parado, fechado no escuro de um roupeiro antigo, apenas ali, aguardando talvez que um dia, algum dia, de novo, por um momento, tocando o presente como se dia nenhum entre aquilo que foi e aquilo que já não é.

Sou de repente capaz de lembrar uma velha camisola, julgo que de lã, vermelha com um enorme M branco no meio, M de Marco e eu com um sorriso todo ele esperança, inocência, reguilice, na fotografia da segunda classe. Sou de repente capaz de imaginar essa camisola e sei que se agora na minha mão, toda ela pequena, encolhida, cheirando a tempo parado, fechado, toda ela episódios idos, a professora Gertrudes, os trabalhos de casa,  a natação, a Clara – como eu gostava da Clara!, as cassetes, o mini golfe jogado ao berlinde no Estoril, o Fernando que chamava de Fernandélio em resposta ao Marcaurélio dele...

O que diria eu hoje ao Fernadélio, diria Fernandélio?, perguntar-lhe-ia pela cassete dos Iron Maiden?, o que diria eu à Clara se a Clara de novo à minha frente?, mergulharia mais uma vez de chapão para a piscina só para a impressionar?, o que diria eu à professora Gertrudes se ela me passasse trabalhos de casa?, diria não me apetece nada?... Faltar-me-iam por certo palavras tal como faltaram ontem, quando decidi abrir uma gaveta há muito fechada, cheia de tempo parado, fechado, cheia de roupa que deixou de me servir e que por isso me pareceu tão estranha quando decidi voltar a experimentá-la.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D