Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

03
Jan08

Ondas à deriva.

Marco
E finalmente que eu aqui sozinho, depois dos ruídos das horas triviais onde telefones e falas e risos e segredos e comentários e buzinas e cães que ladram não sei se de fome ou birra, nunca fui muito de animais, gosto deles só que o jeito de jeito nenhum e por isso desconheço se fome ou birra daquele cão que todos os dias às onze da manhã a ladrar como se o mundo à beira do seu fim, desviando-me das linhas de texto, dos pensamentos que procuro arrumar e tão difícil que é arrumar pensamentos, tarefa de iluminados que irritantemente parecem sempre saber quem são, o que querem e como consegui-lo.

Aqui sentado, lembro de repente, um sorriso. O silêncio é tal que quase o ouço, som que existe dentro de nós, guardado, jogado fora no preciso instante em que se soltam as amarras da seriedade e pingam estrelas no olhos das pessoas, uma libertação, uma explosão. Lembro de repente, um sorriso. E depois as palavras que o acompanham, ditas como se ser feliz fosse simplesmente respirar, ditas desse jeito criança, ao pinotes sobre a gramática tocando-lhe apenas ao de leve, muito leve e logo depois, o som de uma onda, perfeita, a quebrar-se sobre o cristal precioso deste pensamento que agora me toma.

De repente lembrei-me. E se as ondas fossem todas elas, memórias? Aproximando-se devagar, umas perfeitas, outras nem tanto ou porque o vento, ou simplesmente porque não, e ao rebentar, a espuma dos tempos em que a perfeição se desenhava no bater acelerado de um coração que por agora, apenas em ritmo de rotina, mascarando-se de uma felicidade tão vazia como esta sala onde às horas triviais, todos os ruídos nos cegam este sentir mais completo que de repente me tomou e aqui se fez em forma de um texto que provavelmente ninguém mais compreenderá, mas que a mim, tanto me diz.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D