Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

27
Dez07

Naquela hora...

Marco
... seria capaz de jurar que um dia inteiro, dado o peso de cada minuto arrastado, eterno, tempo parado numa vida em suspenso por um momento que nunca mais. Pegou nas chaves do carro, desceu as escadas e fez-se à estrada sem destino, furando a noite quieta, sabendo que já nada o segurava ali, olhando as estrelas como se todas as perguntas às quais não consegue responder e conduziu até de manhã, envolto numa esperança que lhe fugia a cada instante. Naquela hora, pensou sempre nela, sabendo que depois, só lhe restava esquecer, durante todas as horas, durante todos os dias.

... olhou o relógio todos os minutos. Rápidos, fugidios, traiçoeiros. Na cama apenas sono profundo, leito de inconsciência e a esperança a prendê-la àquela cadeira desconfortável, de madeira velha, tantas vezes ocupada por esperanças derradeiras, choros saudosos, orações desesperadas. Sabia que o tempo a correr, sabia do combinado, sabia de tudo e porque sabia de tudo, sabia que dali não sairia sem notícias, sem um gesto, um sopro de vida que a devolvesse aos dias, às horas que correm normais, sem aperto no peito, sem a tristeza de saber por perto a palavra fim e rir-se, irónica, traiçoeira, cruel. Naquela hora, chorou.

... apenas flashes. E a prisão. Todos os movimentos como se de ferro e o escuro, a prisão dentro de um corpo deitado, inerte. Vivo, mas inerte. E flashes, a consciência de que ela ali, a vontade de um vai embora, eu estou bem, vai ter com ele, não o faças esperar, não o percas, vai, e nada, a prisão, o escuro, o ferro mais rijo do que a vontade, e flashes, os dois, o ciúme incontrolável, a loucura, a vontade de morrer, flashes, os comprimidos, os dois juntos, como? os comprimidos, todos, o sono, o escuro. Naquela hora, arrependeu-se de tudo e desejou, simplesmente, desaparecer.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D