Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

19
Dez07

A marioneta.

Marco
Quando deixada ao abandono – e tantas vezes deixada ao abandono, a sua figura triste demais, braços e pernas misturados, confusos, parecendo um complexo jogo de mikado e a cabeça caída, inerte, morta, dando ares de ter desistido, conformada àqueles fios que a sua vida toda quando em certos dias e apenas em certos dias, guiada, conduzida, levada. Nunca ela, apenas o que dela queriam fazer, todos os movimentos, todos os gestos, todas as vontades que afinal, impostas, forçadas, numa aparente felicidade que ninguém sonharia a mais infeliz de todas.

Nos seus sonhos mais profundos imaginava-se livre, forte, capaz de passos decididos e vontades próprias, imaginava-se senhora de si e respeitada por isso mesmo, não pelos puxões a braços e pernas em escassos minutos de atenção que logo substituídos por horas, dias de mikado sem que ninguém a retirar peça a peça em mil cuidados e delicadezas. Tinha saudades. Saudades do que não foi, saudades de viver, saudades de sentir, saudades de querer, saudades de ser livre, de poder tudo, poder simplesmente escolher e caminhar e correr e sentir o pulsar das coisas.

Quando deixada ao abandono – e tantas vezes deixada ao abandono, pensava em cortar todos os fios que a prendiam a nada, mas o medo, se calhar nem o medo, o hábito, ou nem o hábito, nada, simplesmente nada e por isso presa, sempre presa, olhando os fios, odiando os fios, odiando-se a si mesma, odiando o mikado, odiando que ninguém cheio de mil cuidados e delicadezas, odiando que alguém afinal com mil cuidados e delicadezas, só que longe, agora longe, e todos os sonhos, todas as vontades reduzidas a puxões de braços e pernas, numa aparente felicidade que ninguém sonharia a mais infeliz de todas.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D