Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

13
Dez07

As mãos.

Marco
O número sessenta e seis obrigava-me a uma espera paciente naquele banco disfarçado de hospital onde a tosse se ouvia em pano de fundo, colorido de olhares cheios de vazio, apenas esperando que o número o seu número em conversas da treta sobre vizinhos e conhecidos num diz que disse por mim ignorado, fechado que estava dentro das minhas músicas de sempre, incapaz que sou de me separar delas, fazem-me confusão conversas da treta e mais a mais sou do tipo tímido, deixem-me lá estar no meu canto, tudo o que quero é que logo o sessenta e seis para voltar rápido às minhas escritas.

Sessenta e dois. Sapatos castanhos de atacadores marca Confort com sola de borracha, calças verdes escuro de bombazina, camisa branca, pulôver cinzento e casaco de fazenda também cinzento. Mãos nos bolsos e os documentos debaixo do braço esquerdo. Cabelo grisalho. Sessenta e três. A espera espera para todos e a impaciência já misturada no meio da tosse e do diz que disse. Até que as mãos. As mãos finalmente de fora e não umas mãos como todas as mãos, uma espécie de V feito de dois enormes dedos que seguravam a custo os documentos enquanto o sessenta e três perguntava mais uma vez aquilo que não queria perceber.

Naquela fracção de tempo, imaginei-lhe o porquê? Justifiquei-lhe os bolsos e perguntei-me se desde sempre, se algum acidente, se a guerra, se o destino, se a sorte. Olhei-o nos olhos e nada de respostas, apenas detalhes cada vez mais nítidos, uma grande aliança de casado, uma dificuldade em ser simplesmente normal que me deixou pregado ao chão, sessenta e quatro, já nada de tosse, nem de música, nem de nada, só porquês atrás de porquês até que sessenta e cinto, a vez dele, em direcção ao balcão e eu em direcção à porta porque duas da tarde e não sou cá pessoa de atrasos, hoje é outro dia e boa sorte para si, tenha cuidado com essas tosses todas, olhe que ainda lhe pegam.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D