Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

22
Out07

O espantalho.

Marco
Os braços abertos e magros, esticados. Devem doer-lhe todos os dias enquanto o sol lhe queima a roupa já velha, de pontas esgaçadas, corroídas por ventos perdidos, sem norte. O cachimbo que lhe cai da boca há muito se apagou, esquecido do calor de outrora e a sua pele feita de palha já gasta pela vida que nunca aconteceu, ali cravado a uma terra que nunca a sua, visitado por pardais errantes, que o divertem em doses pequenas, debaixo das nuvens passageiras que sempre se esqueceram dele.

Sonhava a liberdade em pequenos saltos consecutivos, num equilíbrio tão frágil como desafiante. Sabia que o horizonte bem maior do que a gasta vedação de madeira, conhecia a cor das ervas e chamava estranhos nomes às flores que lhe sorriam ao longe, perto demais para que tão longe. Não tinha medo de nada, o seu espírito era livre e os dias consecutivos roubavam-lhe a alma, gastavam-lhe o sorriso com que brindava os pardais errantes. Estava preso, cravado ao destino que nunca escolhera.

Não era uma roupa qualquer. Sim, velha, sim esgaçada por ventos perdidos, sem norte, mas fina, elegante. Uma longa casaca azul escura, já não muito escura e um colete ainda mais claro encimados por um laço que fazia dele um cavalheiro do desencanto. Sonhava a liberdade em pequenos saltos consecutivos e a força que não tinha era o quanto lhe faltava para ser livre. Queria dizer adeus à gasta vedação de madeira e aos pardais errantes, queria dizer olá a todas as flores que lhe sorriam ao longe.

Perto demais para que tão longe.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D