Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

02
Out07

Into the Wild.

Marco
O peso das várias mochilas que carregava sentia-se na zona lombar, como uma picada, quilos de roupas e de coisas inúteis, um colchão enrolado mais uns quantos enlatados que degustaria caminho fora, ao sabor do imprevisto. Gostava de sentir o vento na face, os cabelos a quererem voar. Era livre. Para trás, ele mesmo, outro ele, fechado num mundo demasiado quadrado, de paredes muito altas, impossíveis e as mochilas já cheias de passado, não roupas, passado que sempre presente.

Era no tecto que gostava de viajar. Era lá que se sentava e o perigo nem sequer palavra conhecida, visto que àquela velocidade os dias poderiam ser para sempre, vagarosos, profundos. O autocarro era o número 142, verde gasto e branco. Sempre que parava, pegava no seu livro de poemas e recitava-os para si mesmo – a vida é poesia dizia ele, de peito cheio, empertigado, convicto do momento, de cada milha desta vida que decidira viver. E compunha melodias que procurava não esquecer com o passar dos minutos.

Na mochila nomes. Rostos. Pessoas inteiras. Episódios. Estava sozinho. Sentado. Não lhe conheço o nome, nem a história. Vejo-o contemplativo, olhando o além como se deserto por abraçá-lo. De certa forma admiro-o e por isso mesmo, imagino-lhe a vida. Desvendo-lhe porquês. Adivinho-lhe sonhos. Ouço-lhe as melodias, porque todas elas num disco bonito demais. E deixo-me ficar, deixando-o ir. O futuro espera-o, longe, muito longe daqui. Desejo-lhe sorte e despeço-me dele ao mesmo tempo que o vejo ir into the wild.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D