Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

25
Set07

10º B

Marco
As borbulhas não a deixavam ser aquilo que pretendia parecer ser. Dentro daquelas roupas negras, se calhar uma revolta muda a gritar tão ou mais alto do que a música que ouvia nos phones, numa passada apressada penso que provocada pelo frio desta manhã. Achei graça às riscas pretas e brancas das suas meias de zebra, às botas da tropa e sobretudo ao ar típico de que todos me devem e ninguém me paga. Entendi-a, só que as borbulhas trocam-lhe as voltas, dando-lhe um ar juvenil que revoltoso nenhum consegue suportar.

Naquele instante, apeteceu-me estar a caminho da escola. Apeteceu-me aquela quase meia hora de caminhada até ao comboio cuja banda sonora eram cassetes de heavy metal e grunge, nem sempre muito bem gravadas – agora senti saudades das cassetes, mas cheias de atitude, tal como eu, dentro daquelas camisas de flanela aos quadrados à pescador com que na altura se vestia a revolta contra tudo e todos. Lembro-me das passadas rijas que dava com as minhas botas de montanha, convicto de que iria mudar o mundo.

A minha célula secreta era o Rainha Dona Amélia na Rua da Junqueira – hoje tristemente abandonado, e o meu exército o 10º B, uma turma verdadeiramente inesquecível composta só por rapazes e uma única rapariga, a Maria João. Nesse ano, quebraram-se todas as regras, fizeram-se trinta por uma linha. O mundo pertenceu-nos por inteiro e de certa forma, acho que o conseguimos mudar, dentro de nós. Hoje, nesta manhã fria, ao ver esta miúda a caminho da sua escola com pernas de zebra, estive por instantes a caminho do comboio sem que pessoa alguma me pudesse entender.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D