Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

11
Set07

Controlo remoto.

Marco
Às vezes é preciso dar assim uma pancada seca, de lado, e logo a imagem de novo, já sem indecisões, sem aquele quase quase que nunca mais, de novo colorida, nítida, estável. Um pouco como nós quando nos engasgamos, a tossir e tossir, vermelhos, suspensos sem ar, quase sem vida, sem vida, até que uma pancada seca nos devolva, nos traga de regresso às imagens comuns, já sintonizados com o futuro, ou mesmo com o presente, não interessa, interessa que sintonizados, prontos a continuar, prontos a existir.

Outras vezes é preciso mais cuidado, é preciso perceber os botões, conhecê-los, desafiá-los, vencê-los. Mesmo que nada de imagem, não desistir, tentar de novo, experimentar novas combinações e um pouco mais de imagem, já quase fixa, e fixa, presa, por uns tempos, debaixo do botão com o seu número. E nesse gesto, um sorriso simples, de quem sabe poder ocupar melhor as horas intermináveis, na quietude de uma casa vazia, à espera de um futuro que de futuro, apenas inevitável e nada mais.

Continuar a existir, coisa difícil dentro de imagens fugidias, sem cor, à espera de uma pancada ou então de um cuidado especial, de alguém que perceba de botões e tenha paciência para se sentar a desafiá-los, lutando por sintonizar as cores que um dia se apagaram e as vozes que se deixaram de alegrias. Sim, porque às vezes, a vida como que foge, deve ser com o tempo, cheia de interferências, ali no quase quase, indecisa, engasgada consigo mesma, a tossir, suspensa, quase sem ar, quase sem vida.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D