Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

28
Ago07

A derrota impossível.

Marco
A morte chegou-lhe assim, de repente, sem avisar, nada de nada. Longe de pensar em semelhante coisa, Puerta fez aquilo que sempre fez, equipou-se a rigor e correu feliz para o campo, esse local de realização plena onde lhe era permitido fazer aquilo que mais gostava na vida: jogar à bola. Imagino que terá sonhado esse sonho desde pequeno, quando por certo jogava nas ruas, fintando os carros e marcando os golos em balizas improvisadas.

Naquela noite de Sábado, o seu Sevilha precisava da sua ajuda. Da sua raça e entrega ao jogo. Era possível vê-lo a disputar cada lance como se o mais fundamental da partida, defendendo, atacando. O último ano fora de várias conquistas para a sua equipa, tanto em Espanha como em competições europeias. E que orgulho deveria ele ter. Daí o esforço por dar mais e mais naquele jogo. É que, ganhar vira hábito e Puerta era mesmo um vencedor.

Mas a morte chegou-lhe assim, de repente, sem avisar, nada de nada. Era só mais uma corrida, mais um esforço a que se seguiu uma queda, inanimada, ausente de vida. Puerta, campeão, sobreviveu-lhe e fez ainda questão de sair de campo pelo próprio pé. Já no balneário, deixou-se finalmente levar,  para não mais regressar, para não mais saborear o doce travo dos golos e pior, para não festejar aquela que seria a maior das suas vitórias: o nascimento do seu primeiro filho, dentro de um mês...

Até sempre Antonio Puerta. Nunca te conheci, mas tão cedo, não te esquecerei.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D