Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

06
Jul07

Hoje ao almoço.

Marco
A pele vincada dava-lhe um ar vivido, como se anos de vida tivessem desenhado aqueles riscos, qual projecto de arquitectura. O cabeço branco acrescentava-lhe uma credibilidade da qual nem ousei desconfiar. Sentado numa frágil cadeira branca de plástico, observei aquele rascunho vivo mover-se sem destino, com o relógio quase a cair-lhe do pulso. O calor derretia-me em água e pensei: será este o tal Verão de que todos falam, o tal que segundo parece, este ano nem vê-lo?

A moeda que me pediu a troco de uma melodia já quase defunta não chegou a sair-me do bolso. Preferiu ficar-se por casa, em cima daquela estante onde serve para coisa nenhuma, apenas uma chapinha ridícula, ladeada por uma televisão desligada e uns quantos discos que me esperam pacientemente. Não lhe conheci o nome, nem tão pouco a história de cada vinco até porque entretanto a espetada de vitela e uma fome quase maior do que o calor que me derretia por completo.

O acordeão que trazia devia soar-lhe bem. Pensei em falar-lhe de alguns interpretes que adoro, sugerir-lhe umas quando modas para ele aprender a tocar. Estive até para me levantar, mas a espetada, tão irresistível. Nem sei se teria sido servido, também me esqueci de lhe perguntar. Espero que não me tenha levado a mal, mas da forma como me virou costas e deslizou para a mesa do lado, dá-me a sensação que não iria nunca ser servido, nem tão pouco gostar das modas que tinha para lhe mostrar.

Ainda bem, assim já não me culpo de egoísmo pela moeda em cima da cómoda a servir para coisa nenhuma.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D