Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

Deep Silent Complete

"Escrevo-me. Escrevo o que existo, onde sinto, todos os lugares onde sinto. E o que sinto é o que existo e o que sou. Escrevo-me nas palavras mais ridiculas...e nas palavras mais belas... Transformo-me todo em palavras." - José Luís Peixoto

05
Jul07

No lugar da incerteza.

Marco
É estranho este sítio. Fechado dentro de um silêncio ruidoso, onde vozes me puxam com a força de um Hércules enraivecido com a vida. Tenho os braços esticados – será que podiam fazer menos força?, esticados demais, sinto-me em ruptura, vergado ao peso impossível das coisas que têm de ser, porque inevitáveis, postas à minha frente para mim, gritando o meu nome nesse silêncio de que falo, as tais vozes e o Hércules, neste sítio estranho onde estou agora, a meio caminho entre a certeza e a falta dela.

Como diz o meu amigo Filipe, a vida às vezes parece um pião de madeira lançado por uma corda – confesso que nunca soube como fazê-lo, girando sobre si mesmo e podendo cair a qualquer hora... para qualquer lado. Aparentemente tudo certinho, cheio de força, convicto de todas as voltas, sempre disposto a mais uma, e outra, e outra, para depois já nada, caído num qualquer lugar, de certo tão estranho como este agora aqui, parado, à espera que a corda de novo, e de novo certinho, cheio de força, convicto, ainda que noutro sítio.

Preso às palavras que sabia um dia ter de dizer, saboreio este meu último silêncio com o peso de cada letra a remoer-se-me na barriga, dando a sensação de adeus a todos os segundos que passam por mim. Observo o que me rodeia já com a saudade de um fado inesquecível, calo as vozes que me gritam e finto o Hércules, fugindo-lhe escadas acima, onde me espera o peso da inevitabilidade. Gire o pião para onde girar, que a sorte o leve para o melhor dos caminhos e que pedra nenhuma o faça tropeçar antes de tempo.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D